História da escrita Japonesa

História da escrita Japonesa


Você gosta do conteúdo do Japongo? nos ajude a manter o site clicando no anúncio!


Kanji 漢字

 Para enterdemos como a origem do Hiragana e Katakana surgiu, precisamos entender oque são os Kanjis. Os Kanjis são ideogramas e pictogramas que representam imagens e ideias, as vezes se parecendo muito com algo real ou tentando expressar uma ideia através de uma figura.

 Há várias teorias sobre o desenvolvimento dos kanjis, e nenhuma delas é concreta. Uma das teorias informa que há uns 5.000 a 6.000 anos atrás, um historiógrafo chinês Ts'ang Chieh viu através do kanji uma idéia de como expressar símbolos de coisas por escrito, obtendo inspiração a partir da impressão do pé de pássaros em um campo de neve.

 Outra teoria diz que começou quando Fu Hsi, um dos três imperadores da época, mudou o registro oficial do método de "nós de corda" para método de "carta". Ambas as teorias são, provavelmente, ao invés de opiniões legendárias, fatos históricos confiáveis. Porém, o fato seguro é que a carta de kanji mais antiga é a inscrição em ossos de animais e em cascos de tartarugas que foram introduzidos durante os dias do vigésimo segundo imperador de Shang (Yin) - há aproximadamente 1100 a.C. .

 Seis categorias de formação do kanji levam a sua origem em pictografia. Porém eles passaram por várias mudanças até alcançarem as formas atuais, como combinação ou consolidação de cartas diferentes, emparelhando significado e pronúncia.

 

Kanbun 漢文

 A escrita chinesa chegou ao Japão entre o século V e VII. No entanto, a escrita foi adaptada à já existente língua japonesa, através da adaptação do som ou significado. Mas para lerem os textos escritos em chinês, os japoneses desenvolveram um método que se aproximava gramaticalmente da sua língua, e desta forma tornava os textos mais compreensivos:

Os japoneses também conceberam um método de ler poesia e prosa chinesas usando marcas de leitura para indicar como as frases se organizavam na ordem mais semelhante ao japonês, e forneciam anotações em inflexões (japonesas) e finais de palavras.”

 Esta adaptação do chinês teve grande influência no desenvolvimento da língua japonesa. Não só em termos gramaticais mas também de enriquecimento vocabular, e até de desenvolvimento de estilos literários. A utilização de kanbun a dada altura (quando o sistema de escrita japonês tomou outra direção) tornou-se mais uma escolha do que uma necessidade, pois começou a ser visto como um estilo literário, ou seja, mais uma ferramenta de criação literária.

 

Man’yougana 万葉仮名

 O Kanji passou a ser usado para escrever palavras japonesas dando origem ao sistema que mais tarde será chamado de “Man’yougana” e data provavelmente do início do século V. O nome Man'yougana vem de “Man'youshuu” (万葉集), a mais antiga coleção de poemas japoneses, compilada durante o Período Nara (710-794). Acredita-se que os caracteres que compunham o Man'yougana foram colhidos nesses poemas.

 A principal característica do Man'yougana é que ele utilizava um Kanji por seu valor fonético, em vez de seu significado, isto é, Kanjis eram escolhidos de acordo apenas com sua pronúncia para representar determinado som da língua japonesa. Sendo assim, praticamente formava-se um silabário (Kana) com os Kanjis. Um mesmo som podia ser representado por numerosos Kanjis, e, na prática, os escritores elegiam aquele com significado mais adequado. O exemplo mais antigo de Man’yougana é a “espada Inariyama”, que é uma espada de aço escavada em 1968 no Inariayama Kofun, um túmulo antigo localizado em Gyouda, Saitama. Acredita-se que esta espada foi confeccionada por volta do ano 471.

 Com o decorrer do tempo, o Man'yougana foi evoluindo e dando origem aos dois silabários, Katakana e o Hiragana. As formas do Hiragana originam-se do estilo cursivo da caligrafia chinesa (daí o nome “Hiragana”, isto é, “silabário da palma da mão”). A figura abaixo mostra a origem do Hiragana a partir do estilo cursivo do Man’yougana. Observe:

 A parte de cima mostra o caractere em seu formato regular, a do meio (em vermelho) mostra a forma cursiva e a parte de baixo mostra o respectivo Hiragana. Note também que as formas de escrita cursiva não são estritamente limitadas àquelas da ilustração.

 Dado que, como mencionamos, vários Kanjis podiam ter o mesmo som, houve casos em que um caractere Man'yougana originou um fonema do Hiragana, mas o seu equivalente Katakana evoluiu de um Kanji Man'yougana diferente. Por exemplo, o Hiragana 「る」 (ru) se desenvolveu a partir do Man'yougana 「留」, a medida que o Katakana 「ル」 (ru) procede do Man'yougana 「流」

 Algumas teorias apontam que o Kana foi inventado por um monge budista chamado Kuukai no século IX. Kuukai certamente introduziu a escrita Siddham em seu retorno da China em 806, e o seu interesse nos aspectos sagrados da fala e da escrita levou-o a concluir que a língua japonesa seria melhor representada através de um alfabeto fonético em vez dos Kanji utilizados até então. O atual Kanamoji (conjunto de Kanas) foi codificado em 1900 e as regras para o uso, em 1946

 

NOTA: Na atualidade, o Man'yougana continua sendo empregado em certos nomes regionais, especialmente em Kyushu.

 

 Quando o Hiragana foi desenvolvido, em um primeiro momento, não foi aceito por todos, pois muitos consideravam que a língua culta ainda se restringia ao chinês. Historicamente, no Japão, a forma regular de escrita dos caracteres (kaisho) era usada pelos homens e chamada de otokode (男手), literalmente “mãos masculinas”, enquanto que o estilo cursivo (sousho) era usado pelas mulheres. Por esta razão, o Hiragana se popularizou primeiro entre as mulheres, haja vista que a elas geralmente não era permitido ter acesso aos mesmos níveis de educação que os homens. Disso veio a alternativa que ficou conhecida como “onnade” (女手), literalmente “mãos femininas”. Por exemplo, em “O Conto de Genji” e outros romances mais recentes à época cujos autores eram do sexo feminino, o Hiragana foi usado extensivamente ou exclusivamente.

 Autores do sexo masculino chegaram a escrever literatura com Hiragana, que por algum tempo foi usado para a escrita não-oficial, tais como cartas pessoais, enquanto o Katakana e chinês foram usados ​​para documentos oficiais. Nos tempos modernos, o uso do Hiragana se misturou com a escrita Katakana, que agora está restrito a usos especiais, tais como palavras recentemente emprestadas (ou seja, desde o século XIX), nomes de transliteração, os nomes dos animais, em telegramas, e para dar ênfase (mais detalhes na lição 2).

 Originalmente, todas as sílabas eram escritas com mais de um fonema do Hiragana. Em 1900, o sistema foi simplificado de modo que cada sílaba só tivesse um. O “outro” sistema Hiragana é conhecido como Hentaigana (変体仮名).

 

Fontes:

https://www.japaoemfoco.com/kanji-historia-e-origem/

http://robertotuji.blogspot.com/2010/05/kanji-origem.html

https://www.japaoemfoco.com/evolucao-dos-kanjis/

https://crvling.wordpress.com/2013/01/19/a-origem-da-escrita-japonesa-parte-1/

https://comoaprenderjapones.net/alfabeto-japones-origem/

http://suzakunonihongo.blogspot.com/2012/07/origem-do-alfabeto-japones.html

http://www.zashi.com.br/historia_escrita/01a.php

https://aprendanihongo.wordpress.com/2009/06/13/historia-da-escrita-japonesa/

https://www.wizardemcuritiba.com.br/historia-da-escrita-japonesa/

http://ganbarouze.blogspot.com/2014/05/licao-1-hiragana.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/Língua_japonesa




Autor

instalando

Sou apaixonado pela língua e cultura japonesa. Eu criei esse site para ser um guia para estudantes, tanto de nível mais avançado quanto para níveis mais básicos.


Criador do site